O negócio da energia foi o ponto de partida da Vendeiro, mas atualmente tem novas áreas de negócio e uma forte presença no Norte do país.

Fundada em 1994 na Póvoa de Varzim e tendo inicialmente como core business o negócio da energia, com venda de combustível B2B e B2C, a Vendeiro cedo alargou o seu portfolio de serviços e produtos, introduzindo novas áreas de negócio e fazendo crescer a sua área geográfica de influência na zona norte do país através de postos de abastecimento multimarcas e distribuição de produtos petrolíferos. Hoje, o Grupo complementa o setor da energia com uma oferta alargada de produtos de conveniência, – com lojas Amanhecer, cafetarias e restaurante – demonstrando que os atuais 40 postos são também pontos de oferta competitivos e relevantes na customer journey dos clientes. Mas o futuro faz-se todos os dias e “o Grupo assume o desafio de acelerar a mudança na transição do mercado energético para recursos ecológica e financeiramente sustentáveis e reforçar a marca Vendeiro, sem descurar obviamente as parcerias de sucesso de décadas” – assegura Sérgio Vendeiro, administrador do Grupo. Assim, aos desafios assumidos na transição do setor energético a Vendeiro adicionou a consolidação do Car Care e o crescimento do grupo nos investimentos imobiliários.

 

Habitação Premium na Póvoa de Varzim

O setor imobiliário é outra das apostas de diversificação de negócio do grupo. “Tendo iniciado com um prédio habitacional em plena Avenida da Boavista, é com enorme sentido de responsabilidade que desenvolvemos o Projeto Jardins d’Avenida e trazemos à Póvoa de Varzim uma visão diferenciada de habitação, com uma nova perspetiva de arquitetura e com elevado standard de qualidade, num investimento que ronda cerca de 40 milhões de euros”, afirma Sérgio Vendeiro. Com crescente procura do mercado, o novo empreendimento soma 134 fogos, com tipologias de T2 a T4, e afirma-se como construção de referência, garantida não só pelas melhores soluções arquitetónicas como também pela escolha dos melhores materiais, soluções energéticas sustentáveis, e amplitude de espaço verde envolvente. “Independentemente do setor em questão, só nos faz sentido estar no mercado se for com elevado grau de exigência. Nos investimentos imobiliários esse sentido de responsabilidade é acrescido, pois impacta diretamente na qualidade de vida, no habitar das pessoas”, conclui Sérgio Vendeiro.

Fonte: Revista Exame.